O advogado Rogério Buratti fez, nesta quinta-feira, um desabafo na parte inicial de seu depoimento à CPI dos Bingos. Ele criticou duramente setores da imprensa que, segundo ele, estão expondo sua vida íntima e pessoal.

"Sofri pessoalmente uma perseguição que não é banal, é profunda", afirmou ele. Buratti pediu desculpas a sua ex-mulher Elza, professora da rede pública de ensino em Ribeirão Preto (SP), por causa da matéria publicada na última edição da revista Época, que atribuiu o fim de seu casamento com ela a farras noturnas que teria realizado em Brasília.

"Que interesse público tem em dizer que a farra acabou com meu casamento de 16 anos?", questionou, indignado,afirmando que este não foi o motivo do fim de seu casamento e que a divulgação dessa matéria na imprensa "foi uma violência pública sem tamanho" com sua ex-mulher. Ele destacou que não quer ser hipócrita e dizer que essas coisas (farras) não existem em Brasília.

Porém, criticou a forma como sua vida vem sendo vasculhada, alegando que o propósito disso é desmoralizá-lo. O ex-assessor da prefeitura de Ribeirão Preto quando o atual ministro da Fazenda, Antonio Palocci, era prefeito daquela cidade paulista, falou, ainda, que não divide a mesma casa com uma garota de programa de Brasília, conforme noticiado pela revista Época.

"Peço desculpas à Carla (sua atual namorada), que não é a mesma pessoa citada na revista", afirmou, fazendo ainda um longo desabafo. "Apontam ela como se fosse prostituta. Isso não é verdade. E, se fosse, por que ela não teria o direito de deixar essa vida?", questionou. Ao reiterar que as informações divulgadas não correspondem à verdade, Buratti lamentou que o prejuízo moral já exista e que tenha causado constrangimento às pessoas próximas a ele.