O ex-procurador Geral da República Geraldo Brindeiro disse que o presidente do PT, Ricardo Berzoini, em vez de ficar fazendo "papel ridículo de ventríloquo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva", deveria apresentar ao País as explicações às denúncias feitas pelo atual procurador da República, Antônio Fernando de Souza, a 40 integrantes do governo, incluindo quatro ministros. "Se eu fosse procurador, hoje, certamente teria muito trabalho porque nunca se viu tanta corrupção", acusou Brindeiro, alegando que além da denúncia do procurador geral há ainda a notícia-crime apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) contra o presidente da República, "que nunca diz nada e nunca sabe de nada e prefere mandar o ventríloquo responder".

Segundo Brindeiro, no governo passado não houve nada parecido com o que se vê atualmente porque, se houvesse, teria sido investigado. "As acusações contra o governo passado eram bravatas", disse ele, acentuando que o governo deveria levar a sério as denúncias apresentadas contra os 40 integrantes do governo, incluindo quatro ministros. "Acho até que a denúncia teria de ser, pelo menos, contra 41 ou 42", declarou Brindeiro, sugerindo que Lula deveria ter sido incluído na denúncia feita pelo procurador e "não se rebate tais acusações, acusando o ex-procurador geral".

Brindeiro se referia ao fato de que o presidente do PT – ao responder às afirmações do candidato tucano Geraldo Alckmin de que, se eleito, fará uma devassa no governo Lula – ter dito que tudo que tinha de ser investigado já foi e graças ao presidente Lula o Ministério Público não tem mais um "engavetador-geral-da-República", título que a oposição dava a Brindeiro.