Foto: Elza Fiúza/ABr
Foto: Elza Fiúza/ABr

Zuanazzi atribui sua saída a divergências com Nelson Jobim.

Brasília – Após apresentar um balanço de sua administração à frente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o diretor presidente da entidade, Milton Zuanazzi, anunciou que irá entregar sua carta de exoneração na tarde de hoje (31).

Ele disse que está saindo porque não concorda com as idéias do ministro da Defesa, Nelson Jobim, e explicou que só deixou o cargo agora, apesar das pressões, porque não queria deixar a Anac sem diretoria. Zuanazzi estava no cargo desde março de 2006, quando deixou a função de secretário nacional de Políticas do Turismo.

Zuanazzi disse que existe uma ?agenda oculta? no país que não quer o crescimento do Brasil. ?Essa agenda não quer que pobre ande de avião?. Ele também fez críticas ao ministro Jobim, dizendo que ele não conhece a aviação civil brasileira.

O ex-presidente da agência, também disse que a crise aérea no Brasil não deverá acabar em março do ano que vem, como prevê o ministro Nelson Jobim.

?O apagão causado pelo movimento dos controladores aéreos está sob controle, mas os problemas meteorológicos não vão acabar nunca?, disse. Ele também criticou a idéia de Jobim de aumentar a distância entre as poltronas nas aeronaves. Segundo ele, essa medida aumentaria o preço das passagens aéreas.

Jobim já havia anunciado ontem (30) que Zuanazzi, deixaria a Anac hoje. Desde que assumiu o cargo, em julho deste ano, o ministro critica a falta de rigor da Anac em relação aos problemas aéreos do país.

Zuanazzi era o único dos diretores da agência que ainda não tinha deixado o cargo. Ontem, o presidente em exercício, Arlindo Chinaglia, assinou a nomeação de dois novos diretores da Anac: o economista Marcelo Guaranys e o engenheiro Alexandre Gomes de Barros.

Eles substituirão Leur Lomanto e Denise Abreu, respectivamente. O brigadeiro Allemander Pereira Filho, tomou posse na última segunda-feira (29) como diretor da agência.