O presidente em exercício do Conselho de Ética do Senado, Adelmir Santana (DEM-DF), já comunicou ao líder do partido, senador Agripino Maia (RN), que vai tomar providências para apressar a eleição do substituto do petista Sibá Machado (AC), que renunciou ontem à noite ao comando do colegiado. Aldemir Santana, suplente que assumiu a vaga de Paulo Octavio (DEM), atual vice-governador do Distrito Federal, era até então vice-presidente do Conselho e assume no lugar de Sibá.

A avaliação nos bastidores é de que a renúncia de Sibá faz parte de uma estratégia para adiar a votação do processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, por suspeita de quebra do decoro parlamentar. O senador José Agripino disse estar convencido de que a renúncia de Sibá é fruto de uma "crise monumental na base do governo, envolvendo o PT e o PMDB".

Agripino avalia, também, que a renúncia de Sibá Machado não vai agravar a paralisia do Conselho. "A demora maior no julgamento do caso Renan não haverá", afirmou o líder. "O senador Adelmir dará curso à eleição do novo presidente do Conselho e se não houver uma escolha rapidamente, ele vai tocar os trabalhos, presidindo", completou Agripino, ao insistir que o Democratas não participará de nenhuma tática para adiar o julgamento de Renan.