A ministra Benedita da Silva foi até a
Argentina para participar de um culto
religioso usando o dinheiro da pasta.

Brasília – Com pouco menos de dez meses de administração, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva Lula foi incapaz de evitar a repetição de um dos erros que mais criticou durante os 20 anos na oposição: o mau uso do dinheiro público. As denúncias a respeito de viagens de ministros ao exterior utilizando dinheiro federal para fins particulares têm causado mal-estar e desgaste no governo.

“Não há duvidas que há um desgaste grande com estes episódios, especialmente porque a expectativa do povo em relação ao novo governo era de um governo da ética. E está sendo pego justamente neste ponto??, disse Carlos Lopes, analista político da consultoria SantaFé Idéias. Esses pequenos escândalos se fizeram sentir na pesquisa sobre o governo divulgada esta semana, que mostrou os piores índices de popularidade do presidente Lula.

A avaliação positiva do governo caiu de 48,3 por cento em agosto para 41,6 por cento em outubro, enquanto a negativa subiu de 10,0 por cento para 12,3 por cento. Uma das explicações para os resultados foi a repercussão do “episódio Benedita??. A ministra da Assistência e Promoção Social, Benedita da Silva, foi até a Argentina para participar de um culto religioso usando o dinheiro da pasta para pagar diárias de hotel e passagens aéreas. Ao mesmo tempo agendou alguns compromissos oficiais.

Outro caso é o do ministro do Esporte, Agnelo Queiroz, que viajou para o Pan-americano de Santo Domingo, em agosto, com verba oficial, mas teve suas despesas pagas pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Nesta semana, Agnelo decidiu devolver a quantia recebida do governo, cerca de 11 mil reais. A decisão de Agnelo veio depois das críticas da secretária para o Esporte de Alto Rendimento, a ex-jogadora de basquete “Magic?? Paula, que pediu demissão do cargo esta semana.

As viagens de Lula já consumiram este ano o dobro do que foi gasto no mesmo período do ano passado pelo governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Enquanto o tucano gastou cerca de um milhão de reais, o petista já gastou mais de dois. Os ministros, que reclamam da falta de recursos para a aplicação em programas considerados prioritários pelo governo, não estão controlando seus gastos em relação às viagens.

Um exemplo: o ministro da Saúde, Humberto Costa – que vem defendendo a reposição dos recursos do orçamento destinado a sua pasta em 2004 – gastou cerca de 45 mil reais do erário em viagens a Suíça, Estados Unidos, Paraguai, Finlândia, Moçambique e Argentina.

O único ministro que nunca saiu do país com dinheiro público até o momento é Ricardo Berzoini, da Previdência Social, segundo afirmou recentemente o próprio ministro.