Um viaduto que estava em construção na Avenida Pedro I, em Belo Horizonte, desabou na tarde desta quinta-feira, dia 3. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, pelo menos duas pessoas morreram e várias teriam ficado feridas sob os escombros da estrutura, que atingiu diversos veículos, incluindo um ônibus. Os trabalhos na avenida faziam parte das obra de mobilidade para a Copa do Mundo – mas não foram concluídos a tempo para o torneio mundial.

Socorro

Pelo menos oito viaturas dos bombeiros, além de policiais militares e equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram mobilizadas para socorrer as vítimas do desabamento.

Até o meio da tarde, não havia um balanço oficial de vítimas da ocorrência. A estrutura do viaduto desabou inteira sobre a pista e um Fiat Uno teria sido completamente esmagado, informaram os bombeiros. O viaduto atingiu também um ônibus e dois caminhões, sendo que um deles estaria trabalhando na própria obra.

No caso do ônibus, passageiros deram sorte porque apenas a frente do coletivo foi atingida. Mesmo assim, algumas pessoas que estavam no veículo ficaram feridas. O desabamento causou muita confusão no local. Moradores e pessoas que passavam pela via contaram que o estrondo foi enorme. “Parecia uma explosão. Foi um barulho muito grande e levantou muita poeira”, contou o publicitário Márcio Araújo Lopes, de 32 anos, que trafegava pelo local.

Os trabalhos na avenida – uma das mais movimentadas da capital mineira – fazem parte das obras do Move, nome dado ao BRT (Bus Rapid Transit) na cidade. O desabamento paralisou completamente o trânsito na região da Pampulha, onde está localizado o Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, que, na próxima terça-feira, dia 8, sediará uma das semifinais da Copa do Mundo.

Investigação

A Construtora Cowan, responsável pela construção do viaduto que estava em construção e caiu na capital mineira, disse, em nota breve, que enviou ao local uma equipe técnica para iniciar as investigações. “A Cowan lamenta profundamente o ocorrido com o viaduto sobre a Avenida Pedro I. Neste momento, a prioridade é o apoio às vitimas e aos familiares”, informa o comunicado.

Segundo informações no site da empresa, a Construtora Cowan foi criada em 1958, em Montes Claros, no Norte de Minas, e participou da construção de rodovias, ferrovias, obras de saneamento, construção de barragens, usinas hidrelétricas e até aeroportos. Em Minas Gerais, as obras destacadas na página na internet, além do BRT/Move da Avenida Pedro I e Antônio Carlos, também estão a da Linha Verde (que liga o centro de Belo Horizonte até o Aeroporto de Confins), duplicações da BR-040 (feitas pelo Dnit antes do leilão), e Gasoduto do Vale do Aço. Além disso, a construtora é responsável por algumas obras de ampliação do Aeroporto de Confins (pistas de pouso e decolagem) e do metrô do Rio de Janeiro.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o viaduto desabou sobre a Avenida Pedro I, na Pampulha, às 15h30. Dois caminhões, um carro e um micro-ônibus foram atingidos e o acidente matou uma pessoa e feriu 13. A Secretária de Saúde diz que são dois mortos e 19 feridos.

A avenida é uma das mais movimentadas da cidade. Inicialmente, a obra fazia parte dos projetos de mobilidade para a Copa do Mundo, mas não foi concluída a tempo. O desabamento parou completamente o trânsito na região da Pampulha, onde está localizado o Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, que, na próxima terça-feira, 08, sediará uma das semifinais da Copa do Mundo.

Confira o momento do desabamento do viaduto