enkontra.com
Fechar busca

Brasil

brasil

Vale sabia de problemas com sensores dois dias antes de rompimento

Empresa alemã alertou a Vele e orientou reparos emergenciais na barragem dias antes do desastre. Engenheiros foram soltos pelo STJ

  • Por Estadão Conteúdo
Segundo documentos da PF, Vale sabia do risco de rompimento da barragem dois dias antes de acontecer. Foto: Guilherme Venaglia/Wikimedia
Segundo documentos da PF, Vale sabia do risco de rompimento da barragem dois dias antes de acontecer. Foto: Guilherme Venaglia/Wikimedia

A Polícia Federal identificou em e-mails trocados por funcionários da Vale e da consultoria alemã Tüv Süd que a empresa de mineração já sabia de problemas com sensores da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG) dois dias antes do rompimento que matou 150 pessoas e deixou 182 desaparecidos. As informações constam do depoimento do engenheiro Makoto Namba, coordenador de projetos da empresa Tüv Süd, à PF.

Namba e outro engenheiro, André Yassuda, foram presos no dia 29 de novembro, quatro dias depois do estouro da barragem que despejou o mar de lama em Brumadinho. Nesta terça (5), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) mandou soltar os dois engenheiros.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O delegado Luiz Augusto Nogueira leu os e-mails para o engenheiro durante seu depoimento. Segundo a PF, as mensagens “foram iniciadas pelo indivíduo Denis Valentim no dia 23 de janeiro de 2019, às 14h38” e endereçadas a executivos da Vale a da Tüv Süd. No dia 24 de janeiro, às 14h44, funcionários da terceirizada Tec Wise também receberam mensagens.

“(O) assunto tratado diz respeito a dados discrepantes obtidos através da leitura dos instrumentos automatizados (piezômetros) no dia 10 de janeiro de 2019, instalados na barragem B1 do CCF, bem como acerca do não funcionamento de 5 piezômetros automatizados”, narrou a Polícia.

A PF questionou o engenheiro “qual seria sua providência caso seu filho estivesse trabalhando no local da barragem B1”. “Respondeu que após a confirmação das leituras, ligaria imediatamente para seu filho para que evacuasse do local bem como que ligaria para o setor de emergência da Vale responsável pelo acionamento do PAEBM (Plano de Ação de Emergência para Barragens) para as providências cabíveis”, disse Namba.

O engenheiro disse à PF que trabalha há 24 anos na Tüv Süd. Segundo ele, “a 1ª auditoria externa realizada pela Tüv Süd na Barragem do Córrego Feijão ocorreu em setembro de 2018 e consistiu na avaliação das condições da estrutura da barragem se seus dispositivos de segurança e dos dados referentes à mesma de inspeções anteriores bem como da revisão periódica realizada em junho de 2018”.

“A auditoria externa ou inspeção regular realizada em setembro de 2018 e os respectivos relatórios serviram como base para a declaração de estabilidade assinada pelo declarante em setembro de 2018 referente a barragem B1 do CCF”, contou.

De acordo com o depoimento, o engenheiro relatou ter ouvido uma frase “do funcionário da Vale de nome Alexandre Campanha”, durante uma reunião: “A Tüv Süd vai assinar ou não a declaração de estabilidade?”. Namba declarou ter respondido: “A Tüv Süd irá assinar se a Vale adotar as recomendações indicadas na revisão periódica de junho de 2018.”

“Apesar de ter dado esta resposta para Alexandre Campanha, o declarante sentiu a frase proferida pelo mesmo como uma maneira de pressionar o declarante e a empresa alemã a assinar a declaração de condição de estabilidade sob risco de perderem o contrato”, relatou.

O engenheiro declarou também à PF saber “da existência de uma nascente a montante do reservatório da barragem B1 do CCF e que a água excedente desta nascente corria para dentro da barragem”.

“O declarante não sabe dizer ao certo, mas pode afirmar que desde final de julho de 2018 foi construída uma barreira e colocada uma tubulação na nascente para desviar a água do reservatório”, afirmou. “Em setembro de 2018, na apresentação do relatório de inspeção regular, o declarante solicitou à Vale a construção de um SUMP para que o excedente que extravasasse a barreira e a tubulação colocada na nascente ficasse represado neste local e bombeada para o extravasor.”

À PF, o engenheiro disse ainda que “se o DAM BREAK da barragem B1 mostrou que o refeitório e a sede administrativa estavam no caminho da lama que escorreu após o rompimento, a Vale deveria ter transferido a sede administrativa e o refeitório bem como demais construções para outro local fora do caminho da lama”.

Acordo

A tentativa da Justiça mineira de firmar hoje um Termo de Ajuste Preliminar (TAP) com a Vale fracassou. A informação foi divulgada agora pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), que acompanhou a reunião promovida pela 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte. Uma nova audiência foi marcada para a próxima semana.

A discussão ocorreu no âmbito do processo nº 5010709-36.2019.8.13.0024, que resultou no bloqueio de R$ 1 bilhão nas contas da mineradora a pedido da Advocacia-Geral de Minas Gerais. A reunião contou com a participação de representantes do Ministério Público Estadual e Federal, da Defensoria Pública de Minas Gerais e dos atingidos pelo rompimento da Barragem I da Mina de Córrego do Feijão.

Com a palavra, a Vale

“A Vale informa que vem colaborando proativamente e da forma mais célere possível com todas as autoridades que investigam as causas do rompimento da Barragem I da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho. Como maior interessada no esclarecimento das causas desse rompimento, além de materiais apreendidos, a Vale entregou voluntariamente documentos e e-mails, no segundo dia útil após o evento, para procuradores da República e delegado da Polícia Federal. A companhia se absterá de fazer comentários sobre particularidades das investigações de forma a preservar a apuração dos fatos pelas autoridades.”

Lula é condenado a mais de 12 anos de prisão pelo sítio de Atibaia

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

5 Comentários em "Vale sabia de problemas com sensores dois dias antes de rompimento"


José  Armando
José Armando
10 dias 5 horas atrás

mais uma herança maldita do pt

wttfckmofo
wttfckmofo
9 dias 17 horas atrás

tudo agora é culpa de partido político, larga mão, deixa de ser alienado

Marco
Marco
9 dias 19 horas atrás

que PT? quem privatizou a vale a preço de banana foi FHC

José  Armando
José Armando
9 dias 17 horas atrás

O que a dilma fez após o que ocorreu em mariana?

Luiz Carlos
Luiz Carlos
10 dias 6 horas atrás

Uma coisa é certa. Ninguém vai ser preso e pagar por isso. Vão dizer que foi acidente…..

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas