A União Européia (UE) publicou nesta sexta-feira (14) a decisão que aprova o Plano Nacional de Resíduos e Contaminantes para o mel brasileiro. O anúncio é o reconhecimento oficial de que o programa brasileiro equivale ao europeu no controle e monitoramento de substâncias no mel, informou o Ministério da Agricultura por meio de sua assessoria de imprensa. Com a decisão, o Brasil poderá voltar a vender mel para os 27 países do bloco, como anunciado nesta semana pelo secretário de Defesa Agropecuária, Inácio Kroetz.

Segundo o governo, existem seis laboratórios brasileiros que realizam o monitoramento de resíduos e contaminantes no mel brasileiro. Eles se localizam, principalmente, nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Semanalmente, os entrepostos de mel são escolhidos aleatoriamente, por meio de sorteio, para serem monitorados. A análise abrange a monitoria de 12 grupos de resíduos, além de pesticidas, antibióticos e contaminantes ambientais.

Atualmente existem no Brasil cerca de 60 entrepostos de mel registrados sob o Serviço de Inspeção Federal (SIF), aptos a exportar para os países da UE. Estes estabelecimentos estão nos Estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.