O estudante primeiro colocado no curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), após prestar o Vestibular 2011 utilizando o Argumento de Inclusão, foi desclassificado por fraude. Antônio Gomes da Silva Filho, que já era aluno da UFRN no curso de Odontologia, cursou o ensino fundamental e médio na rede privada, mas apresentou à Comissão Permanente de Vestibular um certificado de conclusão do Ensino Fundamental e Médio por meio de exames supletivos na rede pública para se beneficiar do bônus na nota final para alunos da rede pública.

O mesmo aconteceu com o aluno do curso de Ciências e Tecnologia, Pedro Hugo Alves Fontes, que também usou a fraude para tentar entrar no curso de Medicina. O aluno, no entanto, não ficou entre os 100 classificados. Mais quatro processos estão sendo investigados pela UFRN, na mesma condição.

Denunciada a fraude à UFRN ainda em janeiro, foi aberto processo de sindicância, que confirmou as suspeitas. Antônio perdeu o cadastro e a matrícula no curso de Medicina e terá que responder a processo administrativo disciplinar no seu curso de Odontologia. Pedro responderá apenas a processo administrativo disciplinar, já que sua classificação não lhe permitiu entrar no curso de Medicina. A Universidade informou que enviará o processo para o Ministério Público (MP), que fará a investigação criminal.