O carnaval deste ano no Rio de Janeiro foi aprovado pela maioria dos turistas estrangeiros que desembarcaram na cidade para acompanhar a festa. Pesquisa realizada pelo Site Consultoria em Turismo e a Fundação Cesgranrio, com o apoio do curso de Turismo da UniverCidade, mostrou que 84% deles se disseram satisfeitos com a cidade e afirmaram que retornariam ao Rio.

“Esse carnaval demonstrou que a cidade está preparada para sediar grandes eventos”, afirma Bayard Boiteaux, coordenador da pesquisa que ouviu 1,2 mil estrangeiros entre os dias 8 e 11 de fevereiro. Os preços dos meios de hospedagem (38%) e a limpeza da cidade (25%) estão entre as principais reclamações dos estrangeiros, que também reprovaram os táxis (18%) – na madrugada de sábado (9), turistas que chegavam à rodoviária eram abordados por taxistas que cobravam R$ 100 por uma corrida até Copacabana (quatro vezes mais que o normal). Mesmo assim, o Rio registrou uma taxa de ocupação de mais de 90%, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira do Rio de Janeiro.

Para tirar a sujeira das vias, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) mobilizou cerca de mil garis por dia, que retiraram 700 toneladas de lixo das ruas entre sábado e terça-feira (12) – um aumento de quase 20% em comparação às 643 toneladas recolhidas no carnaval do ano passado.

Apesar dos quase 17 mil banheiros químicos espalhados pela cidade (1,5 mil a mais do que no ano passado), a quantidade não foi suficiente para suprir a demanda nas áreas próximas aos blocos maiores. Com 6 milhões de foliões nas ruas participando dos 492 blocos autorizados pela prefeitura, as filas se formavam com frequência, e era comum ver pessoas urinando nas ruas. De acordo com a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), 671 mijões (dos quais 57 mulheres e 16 estrangeiros) foram para delegacias entre 20 de janeiro, primeiro dia de desfiles dos blocos pré-carnavalescos, e a última terça-feira.

A segurança, que no passado recente era apontada como um dos principais aspectos negativos da cidade, hoje figura como fator positivo (18%), ficando atrás apenas da hospitalidade da população (34%) e da folia do carnaval de rua (26%). Só a Seop usou um efetivo de mais de 7 mil agentes – quantidade 130% superior em relação ao ano passado – para auxiliar na fiscalização.

Em todo o Estado, o policiamento aumentou em 20%. A Polícia Militar contou com um efetivo de 14 mil policiais e mais de 2 mil viaturas, e registrou a prisão de 348 pessoas e a apreensão de 64 armas, entre as manhãs de sexta-feira e de quarta-feira.

A Riotur informou que o balanço da folia será divulgado só na segunda-feira (18).