São Paulo

– O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), que disputa a reeleição, voltou a negar ontem que esteja fazendo uma campanha desvinculada do presidenciável tucano José Serra. Para o deputado federal José Genoino, candidato do PT ao governo paulista, Alckmin “escondeu” Serra no programa eleitoral gratuito para o segundo turno, que estreou ontem. Ao contrário de Alckmin, Genoino fez todo o programa ao lado do presidenciável do PT Luiz Inácio Lula da Silva. “Acho que minha história de vida responde por si só, não tenho que esconder ninguém ainda mais um homem de honradez que é o candidato Serra”, afirmou Alckmin. “Mas, tem o horário de presidente da República e tem o horário de governador.

Eu quero ser governador de São Paulo, não andar de garupa. Então, no meu horário eu vou falar das questões relativas ao Estados de São Paulo porque é isto que está em discussão.” Alckmin voltou a afirmar que seu apoio a Serra é público.

Apesar das declarações de apoio manifestadas na semana passada pelo senador eleito Tasso Jereissati (PSDB-CE), o candidato da Grande Aliança a presidente José Serra (PSDB-PMDB), continua enfrentando dificuldades no Ceará. Ontem, no primeiro dia de campanha na publicidade eleitoral gratuita no rádio e na tevê, o candidato a governador Lúcio Alcântara (PSDB) sequer cita o nome de Serra.

Já o candidato José Airton Cirilo (PT) fala no presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, 22 vezes, reforçando a estratégia que o levou para o segundo turno. Pela manhã, em entrevista concedida ao grupo O Povo de Comunicação (rádio e jornal), Alcântara declarou voto em Serra, tratando-o como “candidato do meu partido”. Mas os elogios foram para Lula. “Lula é uma das coisas boas que aconteceram no Brasil nos últimos tempos. É um símbolo do nordestino”, disse.