Foto: Cíciro Bach/O Estado

No Paraná, trabalho infantil envolve 175.727 menores .

Após 14 anos de queda, a taxa de ocupação de crianças e jovens de 5 a 15 anos no Brasil aumentou a partir de 2004 para 2005. A informação é da secretária executiva do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, Isa Maria de Oliveira, que se baseia em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa mostra que, em 2005, aproximadamente 2,9 milhões de pessoas nesta faixa etária trabalhavam no país. ?De um ano para outro, houve aumento de cerca de 120 mil?, destaca Oliveira. O índice cresceu de 7,33% para 7,80%.

O Piauí, nos dois anos, foi o estado com mais trabalho infantil. De acordo com o ranking, o estado tem cerca de 116,6 mil crianças e adolescentes trabalhando. Rondônia passou do segundo para o quarto lugar e foi substituído pelo Maranhão. A unidade federativa onde este problema acontece menos é o Distrito Federal.

A secretária executiva ressalta que as estatísticas não devem ser analisadas apenas numericamente, porque representam vidas de crianças e adolescentes e não necessariamente refletem o que se faz para combater o problema. Ela cita como exemplo a capital federal. ?No DF, tem um percentual baixo, mas você não vê medidas efetivas para retirar as crianças do trabalho infantil nas ruas, bares, feiras?, afirma. Segundo ela, não existe uma ação para erradicar o trabalho infantil doméstico. ?Como se trata de violação de direitos humanos, a violação de uma só criança é grave, preocupante, inaceitável?.

O ranking do trabalho infantil no país mostra que a Bahia foi o único estado do nordeste que diminuiu a taxa de ocupação de crianças e adolescente de 5 a 15 anos de 2004 para 2005. Passou de 11% para 10,93%, segundo dados da PNAD. O estado, que ocupava a 5.ª posição do ranking em 2004, passou para 8.º lugar.

Entre os estados do sul do país, o Paraná é o que tem as maior número de pessoas em regime de trabalho infantil. O estado, que ocupa o 13.º lugar no ranking, tem 175.727 de paranaenses nestas condições, contra 175.093 do Rio Grande do Sul e 91.349 de Santa Catarina. Porém, em comparação à taxa de ocupação (números de casos em relação ao número de habitantes), o Paraná está em situação melhor que a dos gaúchos, com 8,56% contra 8,63%.