Dois homens que se passaram por policiais e estavam armados com uma pistola e uma submetralhadora de uso restrito provocaram um tiroteio em um restaurante de Belo Horizonte que terminou com quatro mortos e quatro pessoas feridas, uma delas em estado grave. O crime aconteceu no fim da noite de domingo, quando ocorria um show de pagode no estabelecimento no bairro São Geraldo, na região leste da capital.

A polícia acredita que o crime seja um acerto de contas contra Vitor Leonardo dos Santos Souza, de 28 anos, que já havia sido preso por homicídio, era suspeito de outros crimes e foi o primeiro a ser morto. Além dele, Mara Lúcia da Silva e César Augusto dos Santos Brito, ambos também de 28 anos, morreram no tiroteio.

Segundo o tenente-coronel Robson José de Queiroz, comandante do 16.º Batalhão da Polícia Militar (BPM), os suspeitos tentaram fugir em uma moto, mas foram encontrados por policiais e, durante a troca de tiros, um dos acusados foi baleado. De acordo com a PM, Rodrigo Luiz Marques Cerqueira, de 22, carregava a submetralhadora e morreu antes de dar entrada no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS). O outro atirador fugiu, assim como um terceiro homem que estaria em um carro. “Tudo indica que foi realmente um acerto entre gangues. Parece que as outras pessoas não tinham nada a ver com o caso”, observou Queiroz.