A prefeitura de Teresópolis, uma das cidades mais atingidas pelos deslizamentos de terra provocados pela chuva na região serrana do Rio de Janeiro, vai pedir a ampliação do aluguel social ao governo do Estado. Segundo a Assessoria de Imprensa da prefeitura, o secretário de Desenvolvimento Social da cidade, Rudimar Caberlon, vai apresentar uma proposta para ampliar para cinco mil o número de famílias beneficiadas pelo aluguel social ao secretário de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado, Rodrigo Neves.

Hoje cerca de 500 pessoas estiveram na sede da Secretaria de Desenvolvimento Social para reivindicar o direito ao benefício. Funcionários da prefeitura realizam um pré-cadastro dessas pessoas para encaminhar à Secretária Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, como uma das justificativas para ampliação do aluguel social.

O cadastramento de 2.500 famílias desabrigadas (aquelas que perderam tudo e precisam de abrigos públicos) e desalojadas (aquelas que podem contar com a ajuda de vizinhos e familiares) de Teresópolis foi finalizado na última sexta-feira, uma semana após o início do trabalho realizado por profissionais do município com a supervisão de técnicos da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, que coordena o levantamento de dados das vítimas das chuvas na região serrana.

O aluguel social é um benefício que será oferecido pelo governo estadual aos moradores das cidades atingidas. O governo pagará R$ 500 por mês durante um ano. Após esse período, as famílias que perderam suas casas devem ser inseridas em programas habitacionais. A primeira parcela do aluguel social deve ser paga em fevereiro.