O presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati (CE), voltou a criticar duramente nesta sexta-feira (14), em discurso realizado no seminário sobre desenvolvimento social que os tucanos realizam em Fortaleza, a absolvição do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no processo de quebra de decoro parlamentar. Além de afirmar que o resultado da votação foi um "vexame", Jereissati disse que os senadores que se abstiveram de votar neste processo foram "covardes". "São covardes porque não querem enfrentar a opinião pública, covardes porque não querem enfrentar a própria consciência.

Para o senador tucano, o resultado da votação secreta do Senado Federal indica que existe um processo de deturpação não apenas no Congresso, mas também no Executivo, ou "um sistema clandestino e subterrâneo de troca de favores e proteção" entre o governo e sua base de apoio no Legislativo. "A imagem do Senado foi prejudicada com a absolvição de Renan e isso é inadmissível, foi uma das coisas mais vergonhosas que eu presenciei na minha vida", emendou.

Tasso Jereissati disse também que o episódio foi "um espetáculo de dissimulação, falsidade, mentiras e traições ocorrido dentro de uma Casa com 81 representantes do povo brasileiro". E citou enquete realizada após votação, onde 45 senadores disseram ter votado pela cassação, sendo que o resultado oficial registrou apenas 35 votos neste sentido. "Descaradamente, existem 10 (senadores) que estão mentindo, dissimulando e enganando", lamentou. Na sua avaliação, o processo de resistência no Senado vai continuar porque "ainda existe honra e moral" na Casa.