O ministro da Justiça, Tarso Genro, negou nesta terça-feira (29) que haja omissão do Estado brasileiro no combate violência no país.

Durante a cerimônia de lançamento do Movimento Brasil contra a Violência, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, disse que o Estado foi um grande ausente na questão da violência no Brasil.

Em entrevista após o evento, Tarso destacou que não é propriamente omissão.

Temos uma história de segurança pública no país que afastou, de maneira progressiva, o Estado das comunidades mais necessitadas de segurança. As questões sociais foram tratadas ordinariamente ao longo desse período, acrescentou.

Tarso reconheceu que o próprio aparato policial brasileiro não se integrou de maneira adequada com a sociedade. Segundo ele, outro problema é a disseminação da violência em tempo real.

Há um fenômeno global, onde a violência é disseminada em tempo real. Isso interfere na conduta e no comportamento das pessoas.

O ministro reforçou que nenhuma proposta de reforma consegue surtir efeito se não muda a cultura da sociedade e se não institui a cultura da paz. Ele elogiou a iniciativa da OAB de lançar o o Movimento Brasil contra a Violência.

Uma campanha como essa atinge o cerne do paradigma [do combate violência] e começa a mudar a cultura das pessoas em relação violência.

Para Tarso, a promoção de fortes políticas preventivas no combate violência e uma polícia comunitária integrada vida das pessoas são fatores que mudam a relação do Estado com a sociedade e também a cultura das pessoas em relação violência.