O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou hoje liminar em habeas corpus proposto pela defesa de Roberta Nogueira Cobra Tafner e Williams de Sousa, acusados de matar a facadas os pais dela em Alphaville, em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, no dia 2 de outubro do ano passado. Segundo a polícia, a filha e o genro das vítimas teriam cometido o crime por conta da herança.

O casal está preso desde o dia 15 de dezembro. Eles foram indiciados por duplo homicídio triplamente qualificado: motivo torpe, emprego de meio cruel e recurso que dificultou a defesa das vítimas. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) já havia negado o pedido de habeas corpus do casal.

No pedido, a defesa argumentou que os dois são réus primários e têm bons antecedentes e residência fixa. Além disso, alegou que ambos estão colaborando com a Justiça e que seus passaportes já foram entregues à polícia. A decisão do presidente do STJ, Ari Pargendler, não acolheu os argumentos em favor do casal e indeferiu a liminar.

 

O empresário Wilson Tafner, de 64 anos, e a advogada Tereza Cobra, de 60 anos, foram assassinado na madrugada do dia 2 de outubro do ano passado na residência em que passavam os finais de semana, em Alphaville.