O pecuarista Assuero Veronez, vice-presidente afastado da CNA (Confederação de Agricultura e Pecuária no Brasil), que estava preso desde sexta-feira sob suspeita de envolvimento em um esquema de exploração sexual de adolescentes, foi solto na manhã de hoje.

Adalho Cordeiro de Araújo, o outro pecuarista que havia sido preso com Veronez, também foi solto.

Os dois foram presos em Rio Branco após investigações do Ministério Público do Acre e das polícias Civil e Federal.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Acre, os pecuaristas conseguiram um habeas corpus na ontem à noite. Eles foram soltos por decisão do desembargador Francisco Djalma. O processo está sob segredo de Justiça.

Emilson Brasil, advogado de defesa de Veronez e Araújo, afirma que seus clientes nunca se envolveram com nenhuma rede de aliciamento de jovens para a prostituição.

Em 17 de outubro, seis pessoas foram presas sob suspeita de aliciarem adolescentes para a prática de orgias em residências e motéis de Rio Branco, segundo o Ministério Público.

“O que acontece é que um dos acusados [de integrar a rede] ligou para ele [Veronez] falando de uma amiga que estava se oferecendo para um programa. Mas ele não teve contato com essas meninas. Ele conversou, mas concretizar isso é outra coisa”, afirmou o advogado.

Na sexta-feira, a CNA divulgou nota informando o afastamento de Veronez de sua diretoria até que sejam concluídas as investigações.