Brasília – Depois de quase dez meses de silêncio que teriam sido dedicados à uma “profunda meditação”, o senador Pedro Simon (PMDB-RS), que ganhou fama no Senado de derrubar ministros com seus discursos inflamados, fez ontem da tribuna suas primeiras críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acusando seu governo de comportamentos que deixam a desejar no campo ético. Embora tenha salientado que é um otimista em relação ao atual governo e tenha feito rasgados elogios a Lula, a quem classificou como “homem de bem, sério e digno”, Simon lamentou que haja uma grande diferença entre o discurso e a realidade patrocinada pelo PT. Ele criticou o excesso de ministérios criados por Lula para abrigar aliados derrotados na última eleição e condenou a falta de firmeza do governo não só no campo ético, como também na definição de suas políticas em relação ao futuro. “O Brasil espera que as coisas aconteçam, mas as coisas não estão acontecendo. A verdade é esta. Entre o discurso e a realidade, há uma diferença infinita. É claro que aquele discurso do PT, quando era estilingue e atirava por todas as vidraças, no Executivo não dá para fazer. Ninguém quer cobrar do governo que faça tudo aquilo que prometeu. Mas cobramos a responsabilidade diante de coisas muito sérias em relação ao PT”, afirmou o senador.