Policiais militares, bombeiros e funcionários da Vigilância Sanitária que trabalharam no atendimento às vítimas do acidente com Césio 137, ocorrido em Goiânia em 1987, receberão pensão vitalícia de R$ 482.

Mais de 20 anos depois do acidente, o governo estadual concedeu na sexta-feira (25) o direito a 199 pessoas que atuaram na limpeza, descontaminação, segurança e no socorro às vítimas do acidente.

De acordo com a agência de notícias do governo goiano, a maior parte das vítimas atendidas pelo decreto assinado hoje pelo governador Alcides Rodrigues é cadastrada como vítima no grupo 3, em que estão reunidas pessoas expostas em menor grau ao Césio.

O acidente radiológico de Goiânia é considerado o caso mais grave de contaminação por radioatividade no Brasil. Em 13 de setembro de 1987, um aparelho de radioterapia, utilizado para tratamento de câncer, foi retirado de um hospital abandonado, desmontado e expôs as pessoas à radiação emitida pelo Césio 137.