Brasília – Os servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (PECPF) estão em greve desde as 8h de nesta terça-feira (12) em todo o país. Na quinta-feira (14), será realizada nova assembléia de avaliação sobre a adesão ao movimento.

"Tudo vai depender do andamento das negociações?, diz a presidente do indicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal (Sinpecpf), Hélia Cassemiro.

De acordo ela, haverá prejuízo na emissão de passaportes, na tramitação dos inquéritos policiais e na emissão de porte de armas, dentre outros serviços. Pela manhã, os servidores administrativos realizaram uma força-tarefa pela suspensão das atividades de apoio no Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília.

O objetivo era reforçar a luta dos 3,5 mil servidores do Plano Especial de Cargos em todo o país. Eles querem ?tratamento isonômico? em termos de ganho salarial com o pessoal do quadro da Polícia Federal.

Além da emissão de passaportes no aeroporto, as atividades estão suspensas também na Academia de Polícia Federal e no edifício-sede. O Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal já havia paralisado as atividades por dois dias, na semana passada, em advertência sobre a negociação pretendida.

Na ocasião, o pessoal responsável pelo pagamento de diárias e faturas cruzou os braços, com prejuízos para a execução financeira da Polícia Federal e para atividades de logística e telecomunicações dos Jogos Pan-Americanos.

A decisão pela greve foi motivada pelo fracionamento do Termo de Compromisso, assinado em junho do ano passado entre os Ministérios da Justiça e do Planejamento, com todas as entidades de classe da PF.

Com a recente negociação, o governo atendeu apenas o pessoal do quadro. Os servidores do Plano Especial de Cargos reivindicam mesmo tratamento de melhoria salarial.