Uma seqüência de temporais com rajadas de vento de até 90 quilômetros por hora e chuvas torrenciais varreu o Rio Grande do Sul de sul a norte ao amanhecer desta sexta-feira (11), matando um homem, ferindo outras quatro pessoas, derrubando dezenas de árvores e postes e deixando quase 200 mil residências, indústrias e salas comerciais sem energia elétrica durante boa parte do dia. O fenômeno foi resultado do encontro de uma frente fria vinda do sul com a massa de ar quente que estava sobre o Estado desde o início da semana.

A temperatura caiu cerca de dez graus, dos quase 40 ontem para pouco menos de 30 durante a tarde de hoje. O caso mais grave ocorreu em Pântano Grande, a 120 quilômetros de Porto Alegre, onde um raio matou um homem, identificado como Antônio Gilberto de Freitas Cardoso, de 47 anos, quando ele trafegava de bicicleta pelo acostamento da Rodovia BR-471.

Em Novo Hamburgo, na região metropolitana da capital gaúcha, outro ciclista, Gilberto Luís de Souza, de 54 anos, foi atingido na cabeça por uma tábua empurrada pelo vento e teve de ser internado no Hospital Municipal, em estado grave. No bairro Lomba Grande, um cavalo morreu eletrocutado ao pisar em fios desencapados.

Na capital, a ventania arrastou uma Kombi de uma pista para outra na Avenida Assis Brasil. O automóvel ficou na contramão e bateu num caminhão, deixando três pessoas levemente feridas, com escoriações. Os bombeiros da cidade atenderam mais de 50 chamados para retirar árvores e postes caídos sobre veículos, casas e ruas. No bairro Menino Deus, quatro carros estacionados nas Ruas Múcio Teixeira e Barão do Triunfo ficaram danificados. No bairro Santana, o vento derrubou o muro de uma escola. A ventania também danificou a rede de distribuição de energia elétrica. Os semáforos de diversos bairros deixaram de funcionar e algumas vias ficaram alagadas, mas não houve grandes engarrafamentos porque a maioria dos motoristas ainda não havia saído para trabalhar.