Apesar de pertencer a um partido da base aliada, o PTB, o senador Mozarildo Cavalcante (RR) disse nesta quarta-feira (31) que se sente "traído" com a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e admitiu que poderá votar contra o chamado imposto do cheque. "Me sinto traído. A CPMF foi criada para salvar a saúde, mas não mudou nada a realidade do País. Mudou para pior", afirmou o senador durante debate sobre a emenda que prorroga o tributo, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Segundo ele, a mensagem que passa para a sociedade sobre o imposto é "mentirosa". "Passam para a população que é um imposto justo e só paga quem tem conta no banco. Não é verdade. Ele incide sobre tudo", disse. "Isso tudo me leva firmemente a pensar em votar contra a prorrogação da CPMF", anunciou. O senador disse que vai avaliar os benefícios e os malefícios da CPMF. Segundo Mozarildo, os defensores da CPMF precisam ter "argumentos mais convincentes".