O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira (1/11) esperar ter os estudos sobre a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até segunda-feira para o governo apresentar uma proposta à base aliada e ao PSDB. Ele ainda admitiu que uma parcela da população que ganha acima de R$ 1.640,00 também poderá ter isenção do tributo. "A intenção é estender a faixa de não-pagamento de CPMF para acima de R$ 1.640,00", afirmou.

Questionando sobre a situação, por exemplo, de quem ganha R$ 3.000,00, Mantega respondeu que "neste caso, estudamos a possibilidade de abater do Imposto de Renda (IR). Estamos fazendo cálculos para ver se podemos deduzir do IR tudo o que o cidadão paga de CPMF ou se uma parte do que o cidadão paga, para quem ganha acima de R$ 1.640,00. Estamos fazendo simulações e ainda não temos respostas", disse.

Mantega afirmou que encontrar uma solução para os que ganham até R$ 1.640,00 é mais fácil porque esse grupo é isento de IR. Nesse caso o governo deve instituir a isenção da CPMF por meio da redução da contribuição previdenciária, como já ocorre para quem ganha até R$ 1.140,00. Acima de R$ 1.640,00, Mantega considera que a solução é mais complexa. E, além disso, tem o inconveniente de reduzir recursos para repasses a Estados e municípios, acrescentou.