São Paulo

– As coisas realmente não vão bem para a Rede Globo. Depois do anúncio de moratória por 90 dias- suspensão dos pagamentos -, por parte de sua controladora, a Globopar, agora a maior rede de TV do País sofre pressão de seu concorrente direto, o SBT.

É que a Justiça acaba de conceder ao SBT, em última instância (não cabe mais recursos) uma ação contra três roteiristas da Globo que haviam sido contratados pelo SBT há cinco anos e foram recontratados pela Globo. Os roteiristas são Benedito Ruy Barbosa, Glória Perez e Walter Negrão. O valor total das ações é de R$ 43 milhões. A ação que envolve Benedito Ruy Barbosa já está em fase de execução. O SBT requereu a penhora do sítio do roteirista. A Globo está tentando fazer um acordo com o SBT, que se mantém inflexível.

As ações foram motivadas porque nos três casos os roteiristas quebraram contrato com o SBT. Benedito Ruy Barbosa havia sido contratado em 1996 pelo SBT e recebeu um adiantamento de R$ 1,5 milhão da emissora para escrever duas novelas a partir de 1999. Meses depois de fazer o contrato com o SBT, ele renovou seu contrato com a Globo. Com a decisão em última instância, ele foi condenado a pagar R$ 22 milhões de multa.

Glória Perez também tinha um contrato com o SBT para escrever duas novelas, e recebeu da emissora um adiantamento de R$ 500 mil. Ela também renovou o contrato com a Globo e, por estar arrependida, entrou com uma ação contra o SBT na Justiça para desfazer o contrato. Ocorre que SBT ganhou na Justiça e já pode executar uma multa de R$ 11 milhões.

E, finalmente, Walter Negrão também tinha contrato com o SBT para escrever duas novelas e recebeu R$ 600 mil de adiantamento. Processou o SBT para rescindir o contrato, e foi condenado a pagar multa de R$ 10 milhões, que podem ser executados imediatamente.

Em todos os casos, os roteiristas estavam contratados legalmente pelo SBT mas, mesmo assim, assumiram compromisso com a Rede Globo, o que caracteriza quebra de contrato e, conseqüente penalidade ao infrator.

Assim como no caso da moratória, a Globo mantém um silêncio sepulcral sobre o milionário contencioso. A assessoria de comunicação da rede limitou-se a dizer que a TV Globo não se manifesta sobre processos judiciais. Muito menos sobre processos de terceiros em que ela não é parte, mesmo que esses sejam funcionários da empresa.

Extra-oficialmente, executivos globais do primeiro escalão buscam alternativas para minimizar o problema, criado a partir de um convite feito pela Rede Globo, o que indica em parte a cumplicidade da empresa no processo.