A Igreja Renascer em Cristo classificou como uma ameaça contra a "liberdade individual e religiosa" o pedido de interrogatório feito pelo promotor Marcelo Mendroni, do Ministério Público de São Paulo, para que o jogador de futebol Kaká, do Milan, preste informações à Justiça sobre o seu envolvimento com o casal Estevam e Sônia Hernandes, líderes da igreja. Em nota, emitida nesta segunda-feira (14), a Renascer diz que "quem tem de se explicar é o promotor, não Kaká, que ganha seu dinheiro de forma honesta e dele faz o que quiser".

A solicitação do promotor tornou-se pública em reportagem da revista Carta Capital na semana passada. Para a Renascer, Mendroni ultrapassou o limite de suas atribuições e tenta atingir e intimidar os seguidores da igreja. Na nota, sugere-se que o promotor estaria usando o caso para desviar a atenção, pois, segundo o comunicado, Mendroni tem de explicar ao MP a utilização de verbas públicas numa suposta viagem a Itália. A Renascer informou que está preparando a sua quinta representação judicial contra o promotor e que pretende entrar com ações contra a revista Carta Capital e contra o jornalista que assinou o a reportagem.