Curiosos acompanham a confusão.

Rio – Os detentos da Casa de Custódia de Benfica (zona norte do Rio), inaugurada há apenas três meses, se rebeleram ontem depois de um motim que começou por volta das 6h30, após uma frustrada tentativa de fuga em massa. A rebelião foi seguida de conflito que provocou ferimentos em pelo menos cinco policiais. Até a noite de ontem, apesar das negociações, os policiais não conseguiram dominar os presos e controlar o presídio.

O motim começou quando os presos tomaram as armas dos guardas e tentaram fugir por um dos portões da unidade. Os policiais militares que estavam nas guaritas perceberam a ação dos detentos e tentaram impedir a fuga. Houve em seguida um intenso tiroteio. Apesar da reação policial, alguns presos foram baleados e outros conseguiram fugir. Na fuga, os criminosos roubaram três carros que estavam nas imediações do presídio. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, 17 presos fugiram, mas três foram recapturados horas depois. Inicialmente, falava-se informalmente que o número de fugitivos seria muito maior, algo em torno de cem criminosos.

Os presos que permaneceram na Casa de Custódia incendiaram colchões nas celas, mas os bombeiros não puderam fazer nada devido aos tiros que os detentos trocavam com os policiais. Os integrantes da Tropa de Choque da Polícia Militar ficaram em frente à Praça Padre Souza, onde fica a casa de detenção. Eles estariam preparando uma invasão ao presídio, que acabou não ocorrendo, porque precisavam da autorização da Secretaria de Segurança. Os policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Batalhão de Choque, 22.ºBPM (Maré) e agentes do Serviço de Operações Especiais da Secretaria de Administração Penitenciária reforçaram a segurança no local.

Durante o dia surgiu a informação oficial de que 24 pessoas estavam sendo mantidas reféns – enquanto outras duas foram libertados durante as negociações. Os liberados eram agentes penitenciários e policiais militares reformados. Outros cinco presos feridos foram liberados para receber atendimento médico.

Enquanto isso, no lado de fora do presídio, os parentes de presos reclamavam da falta de informações sobre a situação no presídio. Em protesto, a mãe de um preso chegou a tirar quase toda a sua roupa, ficando apenas de calcinha diante dos policiais. Ela acabou sendo abordada por policiais e retirada do local. As negociações com os presos rebelados foram conduzidas por autoridades da Secretaria de Segurança.

A Casa de Custódia tem capacidade para 1.300 pessoas. Antes da fuga, abrigava 900 presos transferidos de outras unidades. A unidade fica ao lado do Ponto Zero, a carceragem que abriga presos de nível superior e onde estão, por exemplo, o empresário e ex-deputado Sérgio Naya e o bando de Rodrigo Silveirinha, que aplicou um golpe milionário na Secretaria de Fazenda do Estado.