Uma lei municipal que proíbe o uso de animais em pesquisas científicas foi publicada nesta terça-feira (6) no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, classificou a lei como "insanidade completa". A medida, afirmou, além de proibir o desenvolvimento de vários estudos na cidade, pode também ameaçar a produção de vacinas, como a de febre amarela, a tríplice viral e a de poliomielite.

"Rotineiramente, a produção passa por testes com animais, para verificar a qualidade do produto, sua segurança", observou. Guimarães afirmou que o ministro José Gomes Temporão está extremamente preocupado com a situação. Hoje à tarde, o secretário deverá se encontrar com integrantes da consultoria do ministério, para estudar quais as medidas que podem ser adotadas diante da proibição.

O Rio concentra cerca de 20% da pesquisa biomédica do País. O Ministério da Saúde investiu nos últimos quatro anos R$ 100 milhões em pesquisas realizadas em centros da cidade. "Mais importante é o prejuízo ético. Em nome da segurança de animais, arrisca-se a saúde de seres humanos", afirmou. Ele observou que o direito de animais deve ser assegurado, mas observou que sem cobaias, não há como fazer pesquisa pré-clínica.