Brasília (AE) – O PT protocola nesta sexta-feira na Câmara um pedido de cassação do deputado Ônyx Lorenzoni (PFL-RS) por falta de decoro parlamentar. O requerimento será assinado pelo presidente nacional do PT, Tarso Genro, o que permite a abertura de um processo, diretamente, pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, sem a necessidade de uma análise prévia pela Corregedoria da Casa. A ação, em defesa do deputado José Dirceu (PT-SP), será entregue às vésperas do julgamento pelo conselho do pedido de cassação do mandato dele. Para pedir a abertura de processo contra Lorenzoni, o partido argumenta que o deputado feriu o decoro parlamentar ao divulgar dados obtidos por meio de sigilo fiscal e bancário de Dirceu.

"Só na República do presidente Lula que bandido tem direito de processar investigador", reagiu Lorenzoni. O deputado afirmou que a representação contra ele é uma tentativa de intimidá-lo porque ele é um dos deputados mais atuantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios. "Isso não vai acontecer. Não vão calar a minha boca", afirmou. "É evidente que isso é uma manobra para tentar desviar o foco que verdadeiramente é Dirceu", continuou.

Lorenzoni disse que tomou todos os cuidados necessários quando teve acesso aos dados e que agiu, rigorosamente, dentro do Código de Ética Parlamentar. "Estou tranqüilo e pronto para qualquer enfrentamento", disse. Na semana passada, Lorenzoni afirmou que Dirceu não declarou à Receita Federal um empréstimo de cerca de R$ 14 mil que lhe teria sido feito pelo PT e, posteriormente, pago em parcelas pelo petista.

A direção do PT e Dirceu afirmam que não houve empréstimo nem pagamento de empréstimo, e sim a devolução de sobra de verbas que o partido teria entregue ao deputado para despesas de viagens feitas na condição de dirigente do partido. Ainda segundo Lorenzoni, os recursos do suposto empréstimo teriam origem no Fundo Partidário, uma reserva formada por dinheiro público.

O deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ) saiu hoje em defesa de Lorenzoni e atacando o PT. "O que o PT tem de entender é que não vai funcionar essa estratégia de achar que vai criar constrangimento a pessoas que estão na investigação", afirmou. "Quebra de decoro é montar quadrilha, é receber mesada, é corrupção. Isso é o que eles fazem. Não é falta de decoro investigar e acusar", disse.