As depredações, os saques e a ocupação das ruas do centro no primeiro e maior dia de protestos em Campinas, na quinta-feira, 20, provocaram um prejuízo de pelo menos R$ 10 milhões ao comércio. Os cálculos são da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) que começou a apurar os estragos provocados ao bolso dos comerciantes durante as manifestações, que ontem entraram em seu terceiro dia.

Só os atos de vandalismo provocaram um prejuízo de R$ 2,5 milhões no primeiro dia de protestos, quando 30 mil pessoas foram às ruas, segundo a Polícia Militar. O restante do valor é com o que deixou de ser faturado, com a dispensa mais cedo de funcionários e o fechamento antecipado das lojas.

“Não somos culpados pelos problemas. Que protestem, mas não saiam quebrando tudo”, afirmou a comerciante Malu Ornelas, que teve a loja invadida no centro de Campinas. Um mini mercado da rede Extra foi duas vezes saqueado durante os protestos.

A entidade divulgou uma nota, na última sexta-feira, 21, em repúdio aos atos de vandalismos praticados por grupos radicais durante as manifestações. Nesta segunda-feira, 24, no terceiro dia de protestos, foram registradas mais depredações e saques no comércio do centro. “A manifestação deu seu recado e a voz da indignação coletiva já foi escutada. Resta agora contabilizar os resultados, arcar com os prejuízos”, afirma a Acic.