Na falta de acordo entre os partidos de oposição e a base aliada a tendência é que a disputa pela presidência do Conselho de Ética seja travada entre os senadores Arthur Virgílio (PSDB-AM) e Leomar Quintanilha (PMDB-TO). O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) só admitiria presidir o conselho no caso de acordo. O PMDB, então, deverá indicar Leomar Quintanilha para a presidência do conselho.

Os senadores do PMDB reagiram negativamente à proposta do PSDB de indicar Arthur Virgílio, afirmando que sequer foram procurados pelos tucanos para negociar a solução. Eles alegam que o mandato de presidência do Conselho obedece a proporcionalidade das bancadas. Além disso, afirmam que o Conselho de Ética não está restrito a examinar o caso Renan Calheiros. A base aliada não quer deixar nas mãos da oposição a presidência do Conselho.