Goiânia – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu com os prefeitos que integram a Frente Nacional dos Prefeitos, na sede da Prefeitura de Goiânia (GO), administrada pelo PT.

O presidente da Frente Nacional, Marcelo Deda, prefeito de Aracaju, disse que os prefeitos querem o compromisso do governo para facilitar o acesso ao crédito e que o foco principal da discussão foi a questão do investimento público. “Queremos o compromisso político do governo para desburocratizar o acesso ao crédito e flexibilizar as regras”, disse Deda, referindo-se às regras impostas pelo Fundo Monetário Internacional, que inclui os investimentos no cálculo do superávit primário.

Em relação ao acesso ao crédito, Deda destacou que são investimentos de capital que não podem ser confundidos com custeio normal das atividades dos municípios. A idéia dos prefeitos da frente é evitar que os municípios financeiramente saudáveis deixem de contrair empréstimos para investimentos.

O prefeito de Vitória, Luiz Paulo Vellozo Lucas, disse que os municípios saudáveis, que têm acesso a crédito, não podem ser submetidos ao controle do governo federal. Segundo ele, o governo esterelizou dois anos os mandatos dos atuais prefeitos, ao bloquear os recursos que deveriam estar sendo repassados. “Não estamos pedindo nada. Estamos pedindo um avanço. Crédito não é favor nenhum”, disse.

Investimento

Ele reclamou também o fato de o governo federal querer determinar em que áreas os municípios devem investir os recursos. “Não adianta o governo dizer onde o município deve gastar o dinheiro. Quem sabe é o município”, afirmou Vellozo Lucas.

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, do PT, também foi na mesma linha. Ele defende que os municípios devem determinar a destinação da verba. Segundo ele, dos R$ 2,9 bilhões em recursos liberados pelo governo federal para a área de saneamento, só R$ 89 milhões podem ser usados em drenagem.