Uma equipe da Divisão de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro vai, nos próximos dias, à casa onde estão confinados os integrantes do reality show “Big Brother Brasil”, da TV Globo, para ouvir um dos participantes, Luan Patrício dos Santos Rosa, de 23 anos. Ele é ex-soldado do Exército e contou durante o programa ter matado um homem durante uma operação no Complexo do Alemão, conjunto de favelas da zona norte do Rio.

Conforme a narração, Luan teria agido em legítima defesa. Segundo o Exército, porém, não há registro de que Luan tenha feito incursões no Alemão enquanto atuou como soldado.

A narração ocorreu ontem. Segundo contou aos colegas, Luan avançava por uma das favelas quando viu um jovem com uma submetralhadora e atirou contra ele, matando-o. Ao vivo na TV, Luan detalhou o momento do disparo, imitando o som de um tiro e apontando o dedo indicador para a testa. “Rasgou a cabeça dele e a caixa d’água”, contou. “Na hora eu tremi, o sargento olhou para mim e disse: ‘Ou era você ou ele'”, contou.

Em função da narração, a DH decidiu tomar o depoimento do rapaz, e vai ao Projac, em Jacarepaguá (zona oeste do Rio), onde fica a casa do “BBB”. Em nota emitida nesta quinta-feira, o Comando Militar do Leste (CML) afirmou que Luan foi incorporado ao Exército em 1º de março de 2010, integrando inicialmente a 1ª Divisão. Em 2011 ele foi transferido para o Grupamento de Unidades-Escola/9ª Brigada de Infantaria Motorizada. “Alguns integrantes da 9ª Brigada participaram da Força de Pacificação no Morro do Alemão, prestando serviços à base e apoio à manutenção das instalações dos militares. Não há registros de que esse efetivo tenha participado de incursões naquela comunidade”, afirma a nota. Luan foi licenciado do Exército em 29 de fevereiro de 2012 e atualmente é gerente de um salão de beleza.