Manaus – À procura de provas sobre o envio ilegal de dinheiro para o exterior, a Polícia Federal cumpriu três mandados de busca e apreensão, no fim da tarde de quinta-feira, em empresas controladas pela Igreja Assembléia de Deus do Amazonas. Segundo a PF, foram encontrados indícios de fraude durante o cruzamento de dados relacionados à operação Farol da Colina e à CPI do Banestado. A Assembléia de Deus estaria enviando dinheiro para pessoas físicas e jurídicas no exterior.

A PF não denunciou qualquer pessoa da Assembléia de Deus mas deu a entender que os principais suspeitos são os dirigentes da Rede Boas Novas de rádio e televisão, pertencente a uma entidade religiosa e comandada pelo pastor Jonathas Câmara, irmão do deputado federal Silas Câmara (PTB-AM), que tem na igreja o seu principal colégio eleitoral. O envolvimento do deputado com o envio ilegal de dinheiro, no entanto, não foi comprovado.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em três endereços da Igreja Evangélica Assembléia de Deus: no centro, onde funciona o principal templo da instituição; no bairro Santo Antônio, sede da Rede Boas Novas de Comunicação (RBN); e no Distrito Industrial, onde está o Centro de Convenções Canaã. Segundo o delegado da Polícia Federal, Sérgio Fontes, a lei proíbe que igrejas enviem dinheiro para o exterior, uma vez que são beneficiadas com isenção fiscal.