A chefe da Polícia Civil, delegada Marta Rocha, e o comandante geral da Polícia Militar, coronel Erir da Costa Filho, estava na manhã de hoje fazendo uma vistoria na favela da Rocinha, ocupada ontem pelas forças de pacificação. A delegada diz que tem cerca de 500 policiais civis trabalhando na comunidade, dando prosseguimento à operação “pente fino”, que está sendo feita em locais da comunidade atrás de drogas e armamentos.

Segundo Marta Rocha, após a conclusão deste processo inicial, os policiais civis vão se dedicar a concluir os inquéritos abertos que necessitavam de diligências na Rocinha.

O coronel Erir disse ter cerca de mil homens na Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu. Segundo ele, na quarta-feira, haverá uma reunião com as forças de segurança para definir que a Rocinha será ocupada pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) e o Vidigal, pelo Batalhão de Choque, até a instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Apreensões

A Secretaria de Segurança fez um balanço parcial das apreensões desde o início da operação até as 11 horas de hoje. Foram presas cinco pessoas e apreendidas as seguintes armas e munições: cerca de 16 mil munições de diversos calibres, 20 pistolas, 15 fuzis, 1 submetralhadora, 2 espingardas, 20 rojões, 3 granadas, 7 lunetas, 171 carregadores diversos, 3 machados, 1 facão, 1 pistola desmontada e 61 bombas artesanais.

Também foram apreendidas drogas: 120 quilos de maconha (papelotes, tabletes), 60 quilos de pasta base de cocaína, 135 quilos de cocaína, 135 pedras de crack e 38 comprimidos de ecstasy.

Foram apreendidos ainda 75 motos, 2 automóveis (um Toyota Hilux e um Astra 2.0), 50 cartões de crédito, 27 máquinas caça-níqueis, 3 centrais clandestinas de TV a cabo e 21 mil mídias (CDs e DVDs) piratas.