Três policiais militares ficaram feridos, no fim da noite de quinta-feira (21), após confrontos com traficantes em duas favelas do Complexo da Penha, vizinho ao Complexo do Alemão, na zona norte do Rio. Os dois conjuntos de favelas possuem oito Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) desde meados do ano passado, após quase dois anos de ocupação pelo Exército.

Por volta das 22 horas, policiais da UPP Parque Proletário faziam patrulhamento na localidade conhecida como Campo do Ordem e Progresso, e pediram a dois homens que estavam numa moto parassem para serem revistados. Os suspeitos fugiram, atirando na direção dos PMs. Houve confronto e o piloto da moto, Leandro de Araújo Carvalho, de 20 anos, foi preso em casa. Segundo a Polícia Militar, ele possuía anotações criminais por porte ilegal de arma e associação para o tráfico.

Cerca de uma hora depois, policiais da UPP Vila Cruzeiro – favela vizinha à Parque Proletário – se depararam com um grupo de cinco traficantes armados durante um patrulhamento de rotina. Houve novo tiroteio. Segundo os PMs, um bandido foi baleado no braço, mas conseguiu escapar. Na fuga, ele abandonou um fuzil AK 47, que foi apreendido na Rua Doutor José Rucas. Foi acionado reforço de outras UPPs dos complexos da Penha e do Alemão para evitar que os criminosos escapassem.

Logo em seguida, policiais que estavam numa das sedes da UPP Vila Cruzeiro, na parte baixa da comunidade, foram atacados a tiros disparados por traficantes que estavam no alto do morro. O soldado José Maurício de Queiroz foi baleado no braço. Ele foi socorrido por colegas. No caminho, a viatura onde o soldado estava colidiu contra um poste, e outros dois policiais – soldado Xavier e soldado Esteves – sofreram ferimentos leves na cabeça e no rosto. Todos foram levados ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Xavier e Esteves já tiveram alta. Queiroz foi transferido para o Hospital Central da PM, no Estácio, região central da cidade. Ele foi operado e passa bem.

Os casos foram registrados na 22ª Delegacia de Polícia (Penha). A Polícia Militar informou que as favelas Vila Cruzeiro e Parque Proletário estão com o policiamento reforçado por tempo indeterminado. Apesar da pacificação, confrontos ainda são comuns na região. No dia 17 de janeiro, quatro moradores da Vila Cruzeiro foram atingidos por balas perdidas após uma troca de tiros que durou meia hora.