Agência Brasil
Agência Brasil

Valdemar complicou o vice Alencar, 
até agora imune à crise.

Brasília – O Palácio do Planalto divulgou nota oficial ontem à noite na qual diz que, na campanha de 2002, o então candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva e seu vice José Alencar fizeram articulações políticas para formação da base partidária, mas contesta afirmação do presidente do PL, Valdemar Costa Neto, de que os dois tenham participado de negociações financeiras envolvendo a campanha. Quem assina a carta é a Secretaria de Imprensa e Porta-voz da Presidência da República.

"A propósito da reportagem publicada na edição 378 da revista Época, cumpre esclarecer que na campanha de 2002, os então candidatos Luiz Inácio Lula da Silva e José Alencar participaram de conversações políticas com vistas à formação da base partidária de apoio à chapa que terminou por vencer as eleições presidenciais daquele ano. Outros assuntos estiveram a cargo dos dirigentes dos partidos envolvidos na formação da aliança vitoriosa."

Outro envolvido na denúncia do presidente do PL, o ex-ministro e deputado federal José Dirceu (PT-SP) também divulgou uma nota ontem em defesa das acusações em entrevista à revista Época. Na nota, Dirceu ratifica o depoimento que prestou ao Conselho de Ética da Câmara afirmando que o acordo entre o PT e o PL foi fechado "para viabilizar campanhas eleitorais dos dois partidos" e que desconhecia a iniciativa de Delúbio Soares, à época tesoureiro do PT, de fazer o ajuste de possíveis dívidas com recursos do empresário Marcos Valério.

Oposição

Depois de reunião para discutir a crise política, líderes do PPS, do PV e do PDT anunciaram que vão convidar todos os partidos que não fazem parte da base aliada do governo, como PFL, PSL, PSDB, PSOL e Prona, para fazer uma avaliação conjunta da situação na próxima segunda-feira. De acordo com o líder do PPS na Câmara, Roberto Freire (PPS-PE), os partidos não vão tomar nenhuma atitude sem buscar um consenso.

Freire afirmou que os partidos não querem o impeachment de Lula, mas que não vão fugir à responsabilidade se isso se tornar necessário. Disse ainda que as revelações do publicitário Duda Mendonça feitas na CPI dos Correios, de que parte da campanha presidencial poderia ter sido paga com dinheiro de caixa dois, serviram para agravar a crise política e ofuscar a denúncia anterior que envolvia o presidente. A denúncia a que Freire se referiu trata de empréstimos que teriam sido feitos a Lula com dinheiro do fundo partidário recebido pelo PT.