Rio (AE) – As 3,5 toneladas de maconha apreendidas quinta-feira à noite na Via Dutra, altura do município de Piraí, seriam usadas para abastecer por apenas uma semana o tráfico na Ilha do Governador, na zona norte do Rio. Esta foi a maior apreensão de drogas feita pela Polícia Federal este ano. Quatro integrantes da quadrilha foram apresentados ontem e outros dois ainda são procurados.

A droga que veio do Paraguai e seria entregue no Morro do Dendê, na Ilha, dominada pela facção criminosa Amigos dos Amigos De lá, seria distribuída a outras favelas da área de atuação do mesmo grupo. Os traficantes foram presos durante operação da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Federal, que interceptou o caminhão carregado com maconha, embalada em sacos plásticos, no ponto de encontro da quadrilha: um posto de gasolina da Dutra.

A investigação durou quatro meses. A rota seguida pelos traficantes já é conhecida. O caminhão foi carregado em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, depois passou por Foz do Iguaçu, São Paulo e, por fim, chegou ao Estado do Rio. O delegado Victor Carvalho, da DRE, disse que a fiscalização nas estradas é um trabalho complicado. ?A maioria do transporte de mercadorias para o Rio de Janeiro é feito pelas estradas. Se não houver investigação, fica difícil parar todos os caminhões para procurar drogas?.

Benedito Venâncio, de 56 anos, dirigia o caminhão em cuja carroceria a maconha estava escondida. Venâncio é paulista, mas reside em Toledo, no Paraná.