Uma comitiva da Petrobras, comandada pelo seu presidente, José Sérgio Gabrielli, se reúne hoje em La Paz com representantes da área de petróleo e gás da Bolívia, em mais uma tentativa de reaproximação após a reestatização dos ativos da estatal brasileira feita pelo governo Evo Morales. O objetivo é preparar uma agenda para a reunião entre Evo e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 12 de dezembro.

La Paz quer aproveitar o momento crítico do setor de gás no Brasil para reaver investimentos suspensos pela Petrobras. A comitiva é formada também pela diretora de Gás, Graça Foster, e pelo diretor de Internacional, Nestor Cerveró. Gabrielli, que deveria ter desembarcado ontem mesmo em La Paz, adiou sua viagem para participar de uma reunião com Lula.

A negociação na Bolívia envolverá as garantias da YPFB e do Ministério dos Hidrocarbonetos, sem as quais a Petrobras não injetará novos recursos no país. Se houver sucesso, o caminho estará cimentado para um acordo mais amplo, que tenderá a abrandar a influência da Venezuela. Segundo um ministro de Lula, Evo se deu conta de que não pode deixar o principal setor econômico do país à mercê de Hugo Chávez e optou pela reaproximação com o Brasil.

A Bolívia está no limite da capacidade de produção e não vê perspectivas de investimentos para cumprir os novos contratos de exportação à Argentina. Na visão do Itamaraty, o governo Evo deu sinais de que não haverá novos sustos e, por isso, é novamente uma alternativa para suprir o País. ?Existe uma necessidade de gás bastante evidente (do Brasil). O cliente natural da Bolívia (para o gás) é o Brasil?, disse o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.