O pedido de recuperação judicial da BRA Linhas Aéreas, impetrado pela empresa no dia 27 de novembro, foi aceito na última sexta-feira pelo juiz da 1ª Vara de Falência e Recuperação Judicial da capital paulista, Alexandre Alves Lazzarini. A BRA interrompeu suas operações no mês passado alegando crise econômico-financeira. A partir da decisão todas as ações e execuções de cobrança de dívidas iniciadas estão suspensas.

A empresa, que tem dívidas superiores a US$ 100 milhões, contratou o escritório de advocacia Felsberg e Associados – o mesmo que comandou a recuperação da Parmalat – para representá-la no processo. O administrador judicial da BRA será o economista e advogado Alfredo Luiz Kugelmas. Num prazo de 10 dias, deve ser enviado ao juiz o primeiro relatório sobre a situação da companhia aérea, que terá mais 50 dias para apresentar seu plano de recuperação.