Brasília – Numa análise detalhada das liberações de emendas ao Orçamento de 2004 é possível constatar que o tratamento privilegiado não é só ao conjunto dos partidos, mas aos parlamentares mais influentes. Os da base, mesmo em período de restrição orçamentária, ganham atenção especial. Até o momento, quem mais recebeu recursos para emendas individuais foi o líder do PP, deputado Pedro Henry (MT). Ele já conseguiu liberar R$ 1,104 milhão, o que corresponde a 66% do total de suas emendas. O ex-líder tucano na Câmara Jutahy Júnior (BA) não conseguiu liberar um centavo.

“Você acha isso alto? Estou achando é pouco! Esse desempenho é bem abaixo dos governos anteriores”, comentou Henry. No PT, o maior beneficiado até o momento é o deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (SP), ex-presidente da Comissão de Constituição e Justiça. Ele liberou até agora R$ 1 milhão em emendas, 41% do total em seu nome.

“Não peço para liberar emenda. Não falo com o José Dirceu (chefe da Casa Civil) e nunca falei com Waldomiro Diniz”, disse Greenhalgh. Mas para não ter problemas com a oposição, a determinação é soltar recursos para alguns parlamentares. Por esse critério, a senadora Heloísa Helena (P-SOL/AL) liberou R$ 115 mil e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), R$ 150 mil.