A Prefeitura de São Paulo informou, em nota, que a construção que desabou em São Mateus, na zona leste da capital, na manhã desta terça-feira, 27, estava em situação irregular. A obra na Avenida Mateo Bei, na altura do número 2.600, não tinha os alvarás necessários para a sua execução.

No comunicado, a Prefeitura esclarece que eram necessários um alvará de Execução e um alvará de Aprovação de Edificação Nova para o início das obras. A construção tinha apenas um pedido do segundo documento em processo de análise na Subprefeitura de São Mateus. A requisição do alvará foi feita no dia 10 de abril deste ano, após a obra receber duas multas por falta de documentação – uma no dia 13 de março e outra no dia 25 do mesmo mês. A administração municipal disse ainda que “independentemente da situação de alvará, a segurança da obra é de responsabilidade da construtora ou engenheiro habilitado”.

No local do desabamento estava sendo construída uma loja de dois andares da rede de lojas Torra Torra. Também em nota, a empresa negou que o prédio em construção fosse de sua propriedade e explicou que tinha um contrato de locação do prédio, mas que a rede assumiria o imóvel após término das obras estruturais, de responsabilidade do proprietário.

A Prefeitura lamentou o desmoronamento, que ocorreu por volta das 8h30 desta terça-feira. Ao menos seis pessoas morreram e cerca de outras dez ainda estão soterradas, segundo o Corpo de Bombeiros. Até o início desta tarde, 22 vítimas foram resgatadas com vida e encaminhadas a hospitais da região. Segundo o major dos Bombeiros Anderson Lima de Oliveira, comandante da operação, os socorridos informaram que a estrutura entrou em colapso repentinamente, sem que houvesse explosão.