Foto: Arquivo/O Estado

Soldados continuam vigiando os morros.

O Morro da Providência viveu ontem mais um dia de confronto entre traficantes de drogas e soldados do Exército que ocupam o local. A troca de tiros começou por volta de 11h30 e durou aproximadamente 40 minutos.Seis caminhões, com cerca de 200 militares, e um helicóptero foram enviados para a favela. Não houve feridos.

Na noite de sexta, um garoto de 12 anos, Genilson dos Santos Batista foi baleado no braço esquerdo e teve fratura exposta. Operado no Hospital Souza Aguiar, o menino passa bem, de acordo com a Secretaria municipal de Saúde.

O porta-voz do Comando Militar do Leste, tenente-coronel Munir el Mohi, informou que sexta começou nova fase da Operação Asfixia, na qual haverá ações mais pontuais. Mas na Providência, onde o Exército tem enfrentado forte resistência armada, as ações "maciças" continuarão, disse ele."O Estado tem que responder à altura e impor a lei e a ordem, à força", declarou.

Durante o tiroteio de sexta, soldados postado na Ladeira do Barroso impediram a população de irem para suas casas. Os moradores hostilizaram e vaiaram os militares. Após uma hora de espera, foram liberados para subir o morro.