Foto: Lucimar do Carmo
Verba por aluno vai cair de R$ 1.230,02 para R$ 1.050,93.

Rio – Simulações do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam) mostram que, com o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), os estados perderão menos do que com o antigo Fundef, mas, por outro lado, 4 em cada 10 municípios brasileiros sofrerão o processo inverso, aumentando  suas perdas.

De acordo com o levantamento, o saldo negativo dos governos estaduais, de R$ 10,3 bilhões em 2006 – referente à diferença entre o que destinaram ao Fundef e o que receberam dele em 2006 – cairá para R$ 9,1 bilhões. Do lado das prefeituras, crescerá a proporção daquelas que cedem mais dinheiro do que recebem: de 32,6% (em 2005) para 40% do total. As perdas atingirão sobretudo as cidades pequenas e mais pobres, com menos alunos.

Um dos motivos dessas mudanças está nos novos critérios. No antigo Fundef, estabelecido no governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), as verbas eram distribuídas de acordo com o número de alunos do ensino fundamental – primeira à oitava série do antigo 1.º grau. Esse nível de educação, embora com participação dos estados, tem uma forte presença dos municípios – a competência é compartilhada.

Com o Fundeb, criado no fim de 2006, também entraram na conta os ensinos infantil, médio (esse, de caráter estadual), de jovens e adultos, entre outros – o que aumenta o divisor dos recursos. Além disso, as cidades conseguiram excluir do bolo tributário as suas próprias receitas, o que beneficiou os grandes municípios, que têm arrecadação própria significativa.

O Fundeb, como o antigo Fundef, tem receitas municipais, estaduais e, no caso das unidades mais pobres, federais. Dependendo das condições, um estado ou município pode alocar mais recursos do que receber, tendo de completar a diferença. São Paulo, Rio, Paraná e Rio Grande do Sul foram beneficiados, pois perderão menos.

Bremaeker fez contas, com base em números de 2006, e concluiu que com as mudanças a quantidade de estudantes beneficiados pelo novo fundo em todo o País aumentará 60,7% em relação aos que eram abrangidos pelo Fundef. Os recursos, porém, subirão apenas 37,3%.

Assim, o montante de verba por aluno vai cair de R$ 1.230,02 para R$ 1.050,93, elevando o déficit – e a necessidade de financiamento – de estados e municípios para R$ 4,1 bilhões em 2009, mesmo com aporte financeiro do governo federal.