Porto Alegre (AE) – O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) prepara uma onda de invasões nos 23 estados em que atua, dentro de ?uma jornada de lutas?, que começou com as 23 ocupações de fazendas feitas nos últimos dias em Pernambuco, Goiás e Rio Grande do Sul. A informação foi divulgada pelo coordenador nacional do movimento, João Paulo Rodrigues.

O anúncio foi durante o lançamento da avaliação da reforma agrária feita pelo atual governo e da campanha Hediondo é o Latifúndio, em Porto Alegre, como atividades paralelas à Conferência Internacional sobre Reforma Agrária e Desenvolvimento Rural, que a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) promove em Porto Alegre.

A justificativa para a nova ofensiva é a pressa em retirar 120 mil pessoas de 650 acampamentos espalhados por todo o País e em ver assinada a portaria que altera os índices de produtividade das propriedades rurais. A pequena velocidade de assentamentos por desapropriação foi a principal crítica da avaliação que o MST, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) fizeram ao governo federal. ?O governo Lula poderia ter dado um salto de qualidade e avançado na reforma agrária sem que houvesse essas invasões?, afirmou Rodrigues, prometendo que as ações serão pacíficas: ?Não queremos incidentes e violência porque temos claro que isso não beneficia a reforma agrária.? As invasões fazem parte de uma série de atividades concentradas em março e abril.