Salvador

– O promotor de justiça Rogério Luís Gomes Queiroz deu entrada ontem com ação na 1.ª Vara Especializada de Defesa do Consumidor da Bahia requerendo o fechamento imediato da Faculdade de Ensino Superior da Bahia (Faesb). Ela funciona há cinco semestres sem a autorização do Ministério da Educação.

É a nona instituição irregular identificada pelo Ministério Público no Estado nos últimos meses. Em fevereiro foram denunciadas as duas primeiras, a Faculdade do Recôncavo e a Faculdade Contemporânea, fechadas a partir de ações patrocinadas pelas procuradorias estadual e federal.

Conforme o promotor Queiroz, a Faesp, mantida pela Sociedade Educacional Superior de Teologia da Bahia (Sestba) tem quase 500 alunos matriculados em cursos de bacharelado em Teologia, licenciatura em Pedagogia, Letras e Administração em Marketing. As mensalidades variam de R$ 200 a R$ 250.