O Ministério Público enviou à Justiça uma manifestação para que o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira inicie imediatamente o cumprimento da prestação de 750 horas de serviços comunitários conforme o acordo firmado com a Procuradoria para que ele escapasse do processo do mensalão.
O pedido foi feito à juíza Silvia Maria Rocha, da 2ª Vara Criminal de São Paulo, depois de Pereira adiar o começo dos trabalhos na Subprefeitura do Butantã na zona oeste da capital, onde faria monitoramento de serviços públicos, como asfalto e poda de árvores. Ele alegou ter vocação apenas com "crianças e cozinha".

Na avaliação do procurador da República Rodrigo de Grandis, autor da manifestação, caso Pereira não inicie a prestação de serviços, o benefício da suspensão do processo deve ser revogado. Para Grandis, não cabe ao ex-secretário escolher as atividades a serem executadas. "A prestação que foi disponibilizada pela Subprefeitura do Butantã não é demeritória ou indigna, sendo compatível com a sua condição", afirmou no documento enviado à juíza.