Aeronave ficou totalmente destruída.

Rio – A queda de um helicóptero Pantera do Exército, usado para transporte de tropas, prefixo EB2015, matou três militares, na noite de segunda-feira, em Resende, região Sul fluminense. Outro militar ficou ferido, mas não corre risco de morte. Em nota oficial, o comando da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) informou que o acidente ocorreu por volta de 20h e que as causas da queda estão sendo investigadas. Existe a suspeita que o helicóptero tenha se chocado contra uma torre de alta tensão da companhia Furnas Centrais Elétricas.

Os corpos do capitão Osni Wilhelmi Vidal Correa Júnior (piloto), de 33 anos, do tenente Giovanni Lessa Pasinato (co-piloto), 26, e do terceiro sargento Osmar Barbosa Sobral Santos (mecânico), 23, foram resgatados ontem de manhã. Já o terceiro sargento Clodoaldo dos Santos Lisboa, 28, o único sobrevivente, foi socorrido logo após a queda. Ele está internado com traumatismo craniano e no tórax, mas passa bem.

O relações-públicas da Aman, major Adonai Mastroianni Medeiros, disse que os quatro militares são do 3.º Esquadrão de Aviação do Comando da Aviação do Exército, em Taubaté, São Paulo. Segundo ele, o helicóptero tinha deixado entre oito e nove cadetes em um ponto de reserva ambiental, onde funciona a Usina Hidrelétrica de Funil de Furnas. O local é usado para treinamento dos militares da academia, que tem posto ali. “Quando o helicóptero retornava para a base, caiu.” Medeiros disse que, atualmente, cerca de 200 cadetes treinam naquela mata.

A aeronave, com capacidade para 13 pessoas, ficou totalmente destruída.