São Paulo – O senador Aloizio Mercadante defendeu ontem uma reforma ministerial mais profunda para que o governo reúna aqueles que realmente têm o comprometimento com os projetos do presidente Lula. Porém, ele enfatizou que somente o presidente é quem pode discutir isto. O ministro da Educação, Tarso Genro, acredita que o objetivo da saída de Dirceu da Casa Civil realmente era precipitar uma reforma mais profunda no ministério. Para Genro, o momento é de reordenação da relação do presidente com a sociedade.

Ele afirmou ainda que Lula não está preocupado com sua imagem ou com a campanha eleitoral de 2006, mas sim em defender o seu plano de governo para o País. Genro admitiu que o governo já foi atingido pelas denúncias, porém entende que já está em curso uma recuperação deste cenário.

A respeito da possível indicação de Dilma Roussef para ocupar o ministério da Casa Civil, no lugar de José Dirceu, nenhum dos representantes do PT quis fazer comentários. Tarso Genro não quis sequer confirmar a indicação. ?A Dilma é uma possibilidade que está sendo especulada pela imprensa?, disse. Segundo ele, o presidente irá decidir, até terça-feira, quem será o novo responsável pela pasta.

O nome da ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, ganhou força. Mas ela já ligou para o Palácio do Planalto e disse que não quer assumir a Casa Civil: ?Deus me livre!?.