O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) não quis comentar os desentendimentos no PSDB sobre o possível acordo com o governo para aprovar a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

De acordo com ele os parlamentares que estão participando da negociação demonstraram grande simpatia pelos conceitos, concepção e caminho das negociações.

"Mesmo porque os cinco pontos reivindicados pelo PSDB foram integralmente contemplados na proposta do governo. Nesta terça, vamos colocar os dados e um desenho muito próximo à proposta que vamos defender no Senado Federal", disse.

Mercadante lembrou que o governo pretende isentar a população de baixa renda da CPMF, desonerar a classe média, antecipar o pagamento do crédito prêmio do PIS/Cofins das empresas exportadoras e favorecer as empresas que investem, reduzindo o prazo para a depreciação de capital (redução de impostos sobre o desgaste de máquinas e equipamentos).